Criptoamnésia

Literalmente, memoria escondida. Este termo usa-se para explicar a origem de experiencias que as pessoas acreditam ser originais mas na realidade são memórias esquecidas de acontecimentos passados. Por exemplo, regressões a vidas passadas como no caso das recoleções hipnóticas de Virginia Tighet de Bridey Murphy de Cork na Irlanda (Bridie Murphey Corkell), são explicadas como recordações de acontecimentos desta vida que ela esqueceu.

Criptoamnésia pode tambem explicar o aparente plágio de pessoas como Helen Keller ou George Harrison dos Beatles como casos de memória escondida. Harrison não queria plagiar "He's So Fine" de Chiffon's em "My Sweet Lord." Nem Keller queria plagiar Margaret Canby em  "The Frost Fairies" quando escreveu "The Frost King." Ambos podem ser casos em que não tinham memória consciente das suas experiências relacionadas com essas obras.

Parece provável que os chamados casos de regressão de vidas passadas induzidas por hipnose sejam confabulações alimentadas por criptoamnésia.


Leituras

How to Think About Weird Things, Theodore Schick, Jr. e Lewis Vaughn (Mountain View, California: Mayfield Publishing Company, 1995), ch. 3.

"Voices from Beyond: The Age-Old Mystery of Channeling," por Ted Shultz em The Fringes of Reason, ed. Ted Schultz (New York: Harmony Books, 1989).

recuarhome