sd.gif (2133 bytes)
Robert Todd Carroll

 the truth is in here!
Dicionário Céptico

Busca no Dicionário Céptico




Busca Avançada

vertline.gif (1078 bytes)

inédia (Respiratorianismo)

...se comida faz tão bem, como é que o corpo fica constantemente tentando se livrar dela?...O homem não foi projetado para ser uma lata de lixo.-- Wiley Brooks, 'O Respiratoriano', diretor do Instituto Respiratoriano

Inédia é a suposta capacidade de se transformar os hábitos de uma pessoa de forma a abolir a alimentação. Alguns adeptos da inédia se tornam respiratorianos, como a estigmatizada Teresa Neumann (1898-1962) da Baviera, que afirmou que "é possível viver apenas do Sopro Divino." Ela afirma ter feito isso de 1926 a 1962, durante o que diz ter consumido apenas sua ração diária de pão transubstanciado.

Jejuar tem sido considerada há muito tempo uma forma de se purificar o corpo e a mente das pessoas. O jejum nos lembra da nossa dependência e fragilidade. Os adeptos da inédia levam o jejum ao extremo. Se a moderação, o autocontrole e a redução do consumo de comida e água de uma pessoa são bons, então eliminar toda a nutrição física deve ser ainda melhor. Seres espirituais não precisam de comida, água ou sono. Os adeptos da inédia estão tentando ser seres espirituais. Infelizmente, comida, água e sono não são opcionais para os seres humanos. Mesmo assim, existem aqueles dispostos a acreditar no contrário.

Recentemente, a australiana Ellen Greve, também conhecida como Jasmuheen, têm atraído seguidores para o Respiratorianismo. Segundo Jasmuheen, ex-consultora financeira, podemos obter toda a nutrição de que precisamos do prana, a força vital universal. Ela, que também afirma ser a luz o nutriente supremo, é autora de Living on Light: A Source of Nutrition for the New Millennium [Vivendo de Luz: Uma Fonte de Nutrição para o Novo Milênio]. Em seu livro há um programa de 21 dias que permite ao corpo viver somente de luz. Ela também dá conselhos sobre como parar de envelhecer e alcançar a imortalidade.

Ela afirma que não come desde 1993; no entanto, admite que "toma chás de ervas e confessa ocasionais 'orgasmos do sabor' envolvendo chocolate ou sorvete."*. Também admite que "quando eu me sinto um pouco entediada e quero um pouco de sabor, como um bocado do que quer que tenha o sabor de que eu sinta vontade. Pode ser um pedaço de chocolate, ou um bocado de torta de queijo, ou coisa parecida."* 

Vários entrevistadores encontraram sua casa cheia de comida, mas ela alega que os alimentos são para o marido, que uma vez foi mandado para a prisão por apropriar-se indevidamente de um fundo de pensão. Aparentemente, ele não foi iluminado e ainda não é capaz de viver o prana.

Greve administra a Academia Cósmica da Internet (C.I.A.) e afirma ter 5.000 seguidores mundo afora. As pessoas pagam mais de US$2.000 para assistir a seus seminários. Muitas, imagino, não se incomodam com a contradição em dizer que as pessoas só precisem do prana (ou será da luz?), mas admitir os estranhos doces e xícaras de chá. Ela diz que essa "dieta" está mudando seus cromossomos. Seu "DNA" está mudando de forma a consumir mais hidrogênio e está se desenvolvendo de 2 para 12 fitas." * Essa bobagem poderia fazer com que muita gente fosse internada na ala dos doentes mentais; em lugar disso ela faz turnês mundiais promovendo seu livro e sua filosofia.

Greve também afirma que os famintos do mundo poderiam estar perfeitamente bem se pudessem simplesmente ser "reprogramados". Eles morrem de inanição, ela afirma, porque a mídia de massas os enganou fazendo-os pensar que precisam de comida.*

Infelizmente, vários de seus seguidores morreram de inanição.

No último outono, Greve concordou em ser testada pelos programa de televisão 60 minutos. Após quatro dias de jejum, o Dr. Berris Wink, presidente da filial de Queensland da Associação Médica Australiana, rogou a Jasmuheen que interrompesse o teste. Segundo o médico, as pupilas de Jasmuheen estavam dilatadas, a fala estava lenta, ela estava desidratada e sua pulsação tinha dobrado. O médico temia danos aos rins se ela prosseguisse com o jejum. O teste foi interrompido. Ao invés de admitir ser uma farsa ou estar enganada, Jasmuheen alegou ter falhado porque, no primeiro dia do teste, ficou confinada num quarto de hotel próximo à uma rua movimentada, o que impediu que ela obtivesse do ar os nutrientes de que precisava. "Eu pedi ar puro. Setenta por cento dos meus nutrientes vêm do ar puro. Eu não conseguia nem mesmo respirar," afirmou. (Os últimos três dias do teste tiveram lugar num retiro na encosta de uma montanha, onde ela poderia ter ar puro em abundância, e onde afirmou poder agora viver feliz.)*

A inspiração para o Respiratorianismo parece ter vindo de Wiley Brooks, que chefia o Instituto Respiratoriano da América. Nos últimos trinta anos ou perto disso, Brooks tem afirmado que não precisamos de comida, água ou sono. Afirma que os adeptos e iogues têm feito isso há milênios. Oferece seminários de fim de semana em um retiro montanhês em Sierra Nevada por US$425, refeições inclusas.

leitura adicional

Bynum, Caroline Walker. Holy Feast and Holy Fast: The Religious Significance of Food to Medieval Women [Santo Banquete e Santo Jejum: O Significado Religioso da Comida Para a Mulher Medieval] (U. of California Press, 1998).

©copyright 2000
Robert Todd Carroll

traduzido por
Ronaldo Cordeiro

Última atualização: 2000-09-25

Índice