Monstro de Loch Ness ("Nessie")

Para os que teem o prazer de visitar as Highlands da Escócia, a ideia de um legendário monstro marinho parece tão natural como as fadas ou os gnomos entre as colinas de Glencolumcille nas ilhas celticas próximas. A Irlanda e a Escócia deram mais que o seu quinhão aos mitos e histórias que embelezam a vida dura desses camponeses. Rob Roy pode parecer romantico no cinema mas a realidade era outra. É uma questão de sobrevivência da raça, essas histórias e mitos. Povos oprimidos, mais que os outros necessitam dos seus heróis e lendas.

Mas as lendas, em geral, acabam na fronteira. Contudo, algumas tornam-se universais e as pessoas acorrem de todo o mundo para visitar um lugar sagrado ou ter uma visão do mundo antigo. O monstro de Loch Ness, afectuosamente conhecido por "Nessie," é um desses casos. Milhões visitam a Escócia em busca de um vislumbrar de Nessie. Muitos voltaram convencidos de terem apercebido furtivamente um ser misterioso. E sendo um exagero afirmar que há tantas visões de Nessie quantas as da Virgem ou do Pai Natal ou de naves extraterrestres, seria abusar da sua paciência afirmar que ninguem tinha visto o monstro e ficar por aqui. As visões começam a ser relatadas a partir do século 6 por S. Colombo, o monge irlandês que converteu a maior parte da Escócia ao Cristianismo. Colombo aparentemente tambem converteu Nessie; ele afirma que, até ter entrado na água e acalmado a besta, esta era uma assassina.

A lenda de Nessie pode estar relacionada com o folclore Celta, mas deixo essa exploração para outros. Folclore não é o meu forte. Interessa-nos a Nessie moderna, a alegadamente vista e fotografada pelo Colonel Robert Wilson em 1934: o plessiossauro - com o longo pescoço emergindo das águas escuras. Essa foto criou muito barulho. Antes dela, Loch Ness era um local de lenda e mito. Os locais conheciam a história da serpente do mar. As pessoas iam ao lago para relaxar. Após a foto, os especialistas foram chamados. Primeiro examinaram a fotografia. Podia ser um plessiossauro. Sim, mas tambem podia ser um tronco. Ou uma otária. Depois vieram as explorações por submarinos equipados com dispositivos de detecção. Hoje temos uma industria de turismo que gerou $37 milhões em 1993, completada com passeios submarinos (cerca de 150 contos por hora em 1994) e um centro de turismo multimédia.

Houve outras fotografias, claro. Os tablóides pagam bom dinheiro por uma foto de Nessie, e houve quem acampasse anos seguidos na esperança de capturar a besta na película. Uma só boa fotografia e podem reformar-se! O Smithsonian tem mesmo uma página WWW dedicada a Nessie, onde defende a investigação cientifica sobre o assunto. De acordo com o Smithsonian,

Mesmo quando a maioria dos cientistas acreditam que a hipótese da existência de tal monstro é remota, manteem uma mente aberta como cientistas que são e esperam pela prova concreta na forma de esqueleto ou captura de tal animal.

Sugerimos... que os individuos interessados em tal fenómeno... se unam à International Society of Cryptozoology, uma organização cientifica que estuda criticamente assuntos envolvendo criaturas desconhecidas de aspecto e tamanho inesperado, e os sujeitem a revisões técnicas.

Continuem a olhar! Claro que este é o mesmo Smithsonian que em Janeiro de 1996, na sua revista mensal, publicou um artigo completamento acritico sobre vedores. Devemos esperar esta defesa da abertura de espirito dos tablóides enquanto exploram o nosso amor pelo mistério e pela maravilha, mas pensamos que o Smithsonian deveria elevar a fasquia e apresentar estudos empiricos em vez de raciocínios acriticos. Ou dar-se-á o caso do Smithsonian ter considerado que para competir e sobreviver devia alinhar com a mentalidade dos tablóides. O que se segue? T-shirts do Bigfoot?

Para lá das fotografias existem numerosos testemunhos de pessoas de confiança. Como pode alguem olhar para todas estas "provas" e considerar Nessie um produto da imaginação, outro caso de pareidolia? Fácil. Comecemos com as fotografias.

Numa história não tão fascinante ou obscura como o episódio do homem de Piltdown, mas pelo menos ao nível das fotografias de fadas que enganaram Conan Doyle, a mais famosa foto de Nessie que a apresenta como um membro da extinta família dos plessiossauros foi afirmada como tendo sido montada. David Martin, um zoologista, e Alastair Boyd, eram membros do projecto cientifico para encontrar Nessie. Foram creditados pelo Sunday Telegraph de Londres (12 de Março de 1994) como tendo narrado a história da fotografia, que foi montada usando um submarino de brincar. Christian Spurling, que morreu em, foi citado como tendo feito uma confissão no seu leito de morte sobre o seu papel na fraude. A falsa foto não foi tirada pelo Coronel Wilson--o seu nome foi usado para dar integridade à história--mas pelo cunhado de Spurling, Ian Wetherell. O pai de Ian, Marmaduke ("Duke") Wetherell, tinha sido contratado pelo Daily Mail de Londres para encontrar o monstro. Wetherell era um realizador que se descrevia como um "grande caçador." Que maior presa que Nessie? Excepto que a grande caça era um pequeno modelo de uma serpente marinha feita com plástico preso a um submarino de brincar! Na verdade, a caçada fez correr tanta tinta que os brincalhões acharam que era melhor ficarem sossegados e calados.

Alastair Boyd, mencionado acima como um dos investigadores que revelaram a fraude, afirma ter avistado Nessie em 1979. Porém, a sua Nessie não parecia um dinossauro. Mais uma baleia, afirmou. Tinha pelo menos 6 metros de comprimento e disse que a viu rolar na água. Não parece provável que existam otárias de 6 metros, mas existem troncos de 6 metros. Tambem existem erros na medida de coisas vistas à distância por uns segundos em condições longe das ideais. Não importa, Boyd está convencido de que existem criaturas no loch. Mas isso já sabemos. Claro que existem. Mas existem monstros de 6 metros com o tamanho de baleias que nunca ninguém encontrou ou viu claramente? Visto o monstro de Loch Ness estar entre nós há mais de 1500 anos, se existe um monstro não é o avistado por S. Colombo. Ou então temos de acreditar que não só é muito grande como é muito velho, um verdadeiro Metusalem entre bestas? Em resumo, tem de haver mais de um monstro. Deixo aos zoólogos o trabalho de calcular quantos são necessários para manter a espécie durante todos estes anos. Um relatório afirmava serem necessárias dez criaturas para manter a população. O mesmo relatório afirmava que o Loch Ness é incapaz de sustentar um predador pesando mais de 300 kg (The Naturalist, Inverno 1993/94, relatado por The Daily Telegraph). Adrian Shine, chefe do Projecto Loch Ness, afirma que o monstro podia ser um peixe primitivo do Báltico com espinhas que podem crescer até 2 metros e 70 de comprimento e pesarem cerca de 200 quilos. Isto pode parecer uma história de pescadores para muitos, mas a Nessie é, na melhor das hipóteses, um grande peixe num grande lago. The Naturalist relatou após estudos profundos da ecologia do lago que o lago não suporta mais de 30 toneladas de peixe. (A cadeia alimentar do lago baseia-se em bactérias que consomem a vegetação, e não de algas como a maioria dos lagos.) Estimando que um grupo de predadores não terá mais de 10% do peso total de peixe disponivel para consumirem, chegamos ao valor máximo de 300 kg. Estranho ainda que com toda a sofisticada tecnologia de que dispomos, e com os milhares de observadores que todos os anos aí passam, ainda não tenhamos um único espécime. Não temos uma carcaça; nem mesmo um osso para examinar. Com pelo menos dez destes monstros nadando no lago, pensar-se-ia que haveria pelo menos um avistamento sem sombra de duvida. Pensaria isso, a menos que queira manter a fraude/mito/lenda viva. Não nego que há boas razões económicas para manter o mito vivo. É bom para o turismo. E todas as investigações "cientificas" a serem pagas por fundos publicos e doações privadas: pleno emprego para criptozoólogos. E, claro, temos o filme vendido a fotógrafos à procura do Grande. Mas o turismo nasceu do mito, e não o contrário. Esta história era contada com ou sem centros multimédia e lojas cheias de souvenirs de Nessie.

Para lá da foto que o Sr. Boyd e outros expuseram como fraude, há outras fotos a considerar. Nem todas as fotografias de Nessie são falsas. Algumas são fotografias genuinas do lago. São sempre cheias de grão, de águas turvas, cheias de sombras. Não há duvida que em algumas parece haver uma forma que pode ser tomada por uma serpente marinha. A forma tambem pode ser tomada por um tronco, uma sombra numa onda, uma onda. Quem já viajou à volta do Loch Ness não vem desapontado com as formas que se veem nas águas. Não duvido que se possam ver formas que podem ser Nessie. Não duvido que os relatos são de pessoas honestas, decentes que interpretaram as suas percepções de acordo com os seus desejos. Vieram ao lago e teem uma história para contar. Lembram a senhora para quem o momento mais alto da sua vida tinha sido ver Michael Jackson numa loja: "foi como ter visto um ovni,"! Aposto que contará essa história durante anos. 

Para o teu bem, Nessie, espero que não existas. Mas se existes, espero que ninguem te encontre.


Links

recuarhome