sd.gif (2133 bytes)
Robert Todd Carroll

 the truth is in here!
Dicionário Céptico

Busca no Dicionário Céptico




Busca Avançada

vertline.gif (1078 bytes)

o truque indiano da corda

Este suposto truque, testemunhado por milhares de pessoas segundo relatos, envolve um faquir (mágico de rua) indiano que lança uma corda para o ar mas esta não cai de volta ao solo. Ao contrário, sobe misteriosamente até que sua extremidade superior desapareça no nada, na escuridão, na névoa, o que quer que seja. Até aqui isso seria um truque bom o suficiente para a maioria das pessoas, mas este, supostamente, vai mais além. Um garoto escala a corda insustentada, que milagrosamente o sustenta até que ele desapareça no nada, na névoa, na escuridão, o que quer que seja. Isso também seria um truque bom o suficiente para a maioria de nós, mas este vai mais além. O faquir então puxa uma faca, espada, cimitarra, seja o que for, e escala a corda até que também desapareça no nada, névoa, escuridão, o que quer que seja. Mais uma vez, isso seria um grande truque mesmo se parasse por aqui. Mas não. Ele continua.

Partes de um corpo vindas do céu caem no chão, num cesto próximo à base da corda, o que quer que seja. Já isso é bastante comum em algumas regiões e não conta muito como parte do truque. Mas então o faquir, conforme se alega, deslizando corda abaixo e esvazia o cesto, joga um pano sobre as partes de corpo retalhadas, ou o que quer que seja, e o garoto milagrosamente reaparece com todas as partes nos devidos lugares. Isso seria um grande truque, especialmente porque deve ser executado em lugar aberto, sem auxílio de engenheiros, técnicos, eletrônica, transmissões via satélite, câmeras de televisão, seja o que for.

Na verdade, só o que se precisa para esse truque é a credulidade humana. Segundo Peter Lamont, pesquisador da Universidade de Edimburgo e ex-presidente do Magic Circle de Edimburgo, o truque indiano da corda foi uma farsa criada pelo Chicago Tribune em 1890. Lamont afirma que o jornal estava tentando aumentar a circulação publicando essa história ridícula como se fossem testemunhas oculares do evento. O Tribune admitiu a farsa cerca de quatro meses depois, expressando um certo espanto por tantas pessoas terem acreditado que se tratava de uma história verdadeira. Afinal, raciocinaram, o autor era "Fred S. Ellmore" [N.T.: "Sell more" significa "vender mais"]. Não tinham calculado que seus leitores, muitos dos quais acreditavam em milagres, frenologia e outras coisas estranhas, não achariam a história tão difícil de engolir.

Lamont vem pesquisando o truque indiano da corda há anos. A uma certa altura, ele e Richard Wiseman escreveram na revista Nature que os resultados de sua investigação davam apoio à idéia de que a crença no truque se devia ao 'efeito exagero': quanto maior o tempo entre se ver alguma coisa e contar uma história a respeito dela, maior a tendência de se exagerar o caráter espantoso do evento. *

Naturalmente, existem outras possibilidades, a maioria das quais foi oferecida numa tentativa de explicar como o truque é feito: hipnose em massa, levitação, um truque mágico envolvendo uma corda invisível pendendo mais acima, à qual de alguma forma a corda lançada se prenderia, membros depilados de macacos para as partes do corpo, gêmeos, o que quer que seja. Dentre as várias explicações, a da farsa parece ser a mais plausível.


leitura adicional

©copyright 2001
Robert Todd Carroll

traduzido por
Ronaldo Cordeiro

Última atualização: 2001-05-29

Índice