Werner Erhard, est e o Landmark Forum

Algumas pessoas parecem ter nascido para conduzir os outros à terra prometida. Os devotos marcam um trilho até às suas portas, buscando inspiração, desejando serem curados ou procurando salvação. Werner Erhard, Tony Robbins, Frederick Lenz, L. Ron Hubbard---eis alguns dos lideres inatos. Ridicularizem esses gurus carismaticos se quiserem, mas os devotos fazem bicha para serem ajudados, para tornarem a juntar a familia ou a sua vida, para alimentarem os egos, para receberem um propósito, para ganharem confiança neles próprios, para lhes recordarem o seu potencial e todas as possibilidades que ainda nunca imaginaram, ou apenas para verem o mundo de um modo novo. Os motivadores e fazedores de mentes deste mundo satisfazem uma necessidade. A vida neste mundo high-tech, pos-industrial é muito confuso para muita gente. Jovens, com todas as possibilidades abertas, vagueiam sem rumo; teem um emprego para o qual estão sobrequalificados e de que não gostam; criam relações em que não são felizes; encontram pessoas com as quais não sabem interagir; conseguem trabalhos para os quais estão qualificados e ainda assim não teem a certeza se os anos e dinheiro investidos valeram a pena; etc. Tentaram Jesus, drogas, exercicios, meditação, dietas, realidade virtual... e não são felizes.

Seja qual for a razão, de vez em quando cada um de nós precisa de um empurrão, de um pontapé no traseiro, alguma inspiração e guia. Precisamos de alguem que nos recorde que somos importantes, que as nossas relações podem ser mais completas, que as nossas vidas podem ser mais satisfatórias, que podemos conseguir mais se estivermos mais motivados. Em resumo, todos precisamos de ajuda em algum momento. Alguns estão tão perturbados que procuram terapia. Alguns deviam procurar a terapia mas em vez disso procuram um Werner Erhard ou um L. Ron Hubbard. Alguns são felizes com Jesus ou as drogas ou a  meditação ou a realidade virtual. Mas muitos encontram Erhard ou Robbins ou Lenz e afirmam voltar mais satisfeitos. Ou seja, acham que o programa "funcionou"; sentem que as suas vidas mudaram de um modo positivo. Não há problema nisso desde que não se tornem  missionários e enquanto deixarem em paz as pessoas que decidiram que o programa não é para elas.

Os motivadores carismáticos como o antigo vendedor de carros usados John Paul Rosenberg, aliás Werner Erhard, Tony Robbins, L. Ron Hubbard ou Frederick Lenz devem ser admirados. A sua auto-confiança e sucesso tornam-nos notáveis. Devemos olhar essas pessoas e maravilhar-nos. Como o fazem? Como conseguem continuar a passar pacotes ecléticos usados de filosofia, psicologia e religião? Como consegue um tipo como Erhard sobreviver a ataques na imprensa de que é um molestador de crianças e emergir para pregar o mesmo velho gospel numa nova pele? A propósito, ele nega ter alguma vez abusado da mulher ou filha. Tambem nega ter saído dos EUA para fugir aos impostos. Não anda a fugir da familia ou dos tribunais mas dos homens da Cientologia. Acredita uqe existe um contrato para o matar, iniciado pelos chefes da Cientologia. Ele e outros acreditam que os Cientologistas iniciaram todos os escandalos contra Erhard, como vingança por alegadamente lhes ter roubado os metodos e divulgá-los como seus nos est.

Como foi que o est se tornou tão popular? E como é que Erhard conseguiu montar este kit de pedaços das carcaças da filosofia existencialista e da psicologia motivacional, Psico-cibernética de Maxwell Maltz, Budismo Zen e Alan Watts, Freud, Maslow, L. Ron Hubbard, Hinduismo, Dale Carnegie, Norman Vincent Peale, P.T. Barnum, e tudo o que a sua intuição lhe diga que funciona?

Em 1971, lançou os est [Erhard Seminar Training], apresentado como um programa de auto-ajuda e conhecido dos psicólogos como "Large Group Self-Awareness Training." Est durou cerca de 15 anos até Erhard o reembrulhar como Landmark Forum para as novas gerações. O que prometia Erhard promise aos que pagassem centenas e milhares de dólares pelos seus programas? Prometia elevá-los a um novo nivel de consciência. Torná-los especiais. Começava por lhes dizer que a sua auto-consciência necessitava de ser "religada" e que o programa faria isso. Uma vez a sua consciência refeita, a vida voltaria a ser boa. Bem, pelo menos, diferente. Seriam poderosos, confiantes, bem sucedidos, porque independentes e a controlar. Aprenderiam a ver as coisas de um modo radicalmente diferente. Nada se poria no seu caminho e poderia privá-lo de todas as oportunidades que até aqui lhe eram negadas devido às más "ligações" da sua consciência. Através do est renasceria! Aleluia! Todos os problemas e limitações estão na sua mente; basta religá-la, isto é, desconstrua a sua personalidade, exorcize a negatividade e encontre o seu verdadeiro eu.

Onde é que John Rosenberg descobriu este treino? Principalmente como autodidacta. O seu estudo foi acidental e não dirigido. Com 25 anos em 1960, estava casado e com filhos. Aparentemente insatisfeito com a sua vida e sem o Large Group Self-Awareness Training acessivel, fez o que muitos homens infelizes fazem: abandonou a familia. Deixou Philadelphia e foi para St. Louis, mudou de nome e vendeu carros. Alguns acham interessante que um Judeu Cristianizado se tenha identificado com um alemão. Mas mais interessante para a sua transformação foi os livros que leu e como foi influenciado. David Shaw (isto segundo W. W. Bartley III em Werner Erhard) diz-nos que Erhard estava "profundamente insatisfeito com o status quo competitivo e sem sentido" mas tambem profundamente afectado pelo livro de Napoleon Hill Think and Grow Rich.

Os três principios básicos de Hill são: qualquer sucesso começa com uma ideia; planos pedem a sua implementação e; o que pensa é aquilo que é. Pense positivo, obterá resultados positivos.

Hill tambem aconselhava a visualizar objectivos e selecionar amigos com semelhanças de espirito. Hill dá bons conselhos, mas não é muito sistemático e não oferece muito a pessoas que não teem ideia de quais são os seus objectivos ou quais deviam.

Uma das influências de Erhard é Maxwell Maltz e o seu livro Psycho-cybernetics. Aparentemente, o livro tem muito a dizer sobre maus hábitos e imagem. Erhard parecia ter de si uma imagem muito negativa e foi bastante afectado por Maltz. Colocou as suas novas ideias e o seu novo eu ao trabalho como vendedor de uma escola por correspondência. O seu interesse em hipnotismo foi estimulado por Maltz, mas Erhard concentrou-se na "programação" e "reprogramação." A ideia não deixa de ter mérito, apesar da linguagem ser desnecessariamente rebuscada. A ideia básica é que os maus hábitossão programados em nós: fomos "hipnotizados" durante o nosso estado de consciência normal e é aqui que os problemas surgem. Inconscientemente desenvolvemos hábitos e crenças debilitantes. O ponto é livrar-mo-nos deles substituindo-os por hábitos e crenças positivas e que nos enriqueçam.

Quando Erhard chegou a São Francisco, tinha tido como trabalho vender e gerir vendedores para as revistas Great Books e Parent's. Tornou-se parte do movimento de auto-ajuda após contratar Robert Hardgrove que apresentou a Erhard o trabalho de Abraham Maslow e Carl Rogers. Maslow e Rogers eram unicos na psicologia da época, pois enfatizavam não os doentes ou desiquilibrados, mas as pessoas sãs, felizes, satisfeitas. O Movimento do Potencial Humano estava no inicio e Erhard estava no andar da entrada. Estavamos nos inicios dos anos 60 e outro movimento estava a nascer: o movimento das religiões orientais. Erhard foi profundamente influenciado por Alan Watts e incorporou a sua versão de zen no est. Erhard frequentava os seminários da sua casa-barco.

A influencia seguinte de Erhard foi L. Ron Hubbard e a Cientologia. Até hoje, os cientologistas acusam Erhard de ter roubado as suas ideias para o est de L. Ron Hubbard e companhia. Sabemos que quando Erhard montou o est, considerava estar a fundar uma igreja, como Hubbard fez com a dianética e a Igreja da Cientologia. Mas Erhard decidiu transformá-lo numa firma educacional virada para um mercado mais amplo. "O primeiro seminário est decorreu em Outubro de 1971 no Jack Tar Hotel em São Francisco com cerca de 1.000 participantes." [Shaw] Est continuou cerca de 15 anos sendo sucedido pelo Forum Landmark.

O Forum Landmark é o est de Werner Erhard, modificado por outros. Os seus bens foram transferidos para uma empresa chamada Landmark que oferece seminários e aulas similares às oferecidas pelo est. Erhard, contudo, já não está envolvido nas operações do Forum. Uma significativa mudança em relação ao est parece ser o método de instrução. No est, p método era muitas vezes abusivo, profano, sem sentido e autoritário. O Forum é aparentemente tão autoritário mas não abusivo.

O ForumLandmark parece dirigido a transformar vidas ensinando as pessoas a comunicarem e usarem talentos juntamente com pesado treino filosófico. Os objectivos propagandeados pelo Forum Landmark parecem muito grandes e muito vagos.São apresentados como "originais, inovadores e efectivos." Eles "permitem aos participantes obterem resultados extraordinários e mesmo miraculosos, e fornecem-lhes uma util, prática liberdade que aumentam a qualidade de vida de qualquer um." Landmark dedica-se a "fortalecer as pessoas gerando possibilidades ilimitadas e fazendo a diferença. O nosso trabalho fornece oportunidades ilimitadas de crescimento e desenvolvimento a individuos, relações, familias, negócio, instituições e sociedade em geral". São "bem sucedidos" e "reconhecidos internacionalmente". São "vocacionados a gerar extraordinaria comunicação --audição atenta e conversação motivada que resulta em auto-expressão e plenitude." Landmark é "excitante, desafiador e alegre". "Bem estar, auto-expressão, integridade, são as bases sobre as quais nos baseamos. Isto leva à nossa extraordinária satisfação de clientes, assistentes e empregados." E, claro, o Forum Landmark quer ajudá-lo a aumentar todo o seu potencial humano, a sua "capacidade de criar, gerir, inventar e desenhar do nada." [Landmark Education Charter] Como disse, muito grandes e muito vagos, mas inspirativos, mesmo assim.

Programas como o est, o seu antecessor, Cientologia, e o seu sucessor, Forum Landmark, podem apontar muitos "sucessos." Podem demonstrar que os seus programas "funcionam." Podem apresentar testemunhos de centenas, senão milhares, de clientes satisfeitos. E alguns são bem famosos! John Denver, John Travolta, Yoko Ono, Cher, Valerie Harper... algumas das grandes mentes do nosso tempo! Não vou negar que para muitos as suas vidas melhoraram após se envolverem no est, Forum Landmark ou Cientologia. Aqueles que estudaram filosofia ou psicologia, que teem noção da especulação e pesquisa empirica, reconhece a natureza pseudocientifica dos programas como est ou dianetica. Sabemos que testemunhos não são evidência empirica validando um programa de auto-ajuda. Sabemos que uma enorme quantidade de raciocinios post hoc circula por estes gurus e seguidores. Sabemos que muitas destas pessoas não teem realmente melhores vidas após os programas, apenas se sentem melhor seja qual for a vida que teem. Sabemos que pouca ou nenhuma investigação é feita pelos promotores desses programas para (a) testar afirmações causais que podem estabelecer algum grau de validade para os seus metodos; (b) estabelecer claros critérios para o que conta como um treino "bem sucedido"; (c) manter registos de "falhanços" ou daqueles que se sentem prejudicados ou magoados pelo programa. Sabemos que as semelhanças entre estes programas e seitas é bastante mais que superficial. Sabemos que muitas pessoas testemunham ter beneficiado grandemente desses programas. E sabemos de muitas pessoas que foram feridas por eles. Dos três programas, contudo, penso apenas que a Cientologia se aproxima bem de um culto.

Est e a sua corrente manifestação, o Forum Landmark, deve ser uma grande experiência emocional. Nunca assisti a nenhuma mas pelo que podemos reunir dos que assistiram, a experiencia não parece ter nada de aborrecido ou não emotiva. Andy Testa faz uma descrição da sua experiencia com o Forum Landmark em 1986. Escreve

O Forum tents desconstruir as ligações pessoais dum modo não-abusivo focando a sua intenção no seu interior: é mantido numa sala de hotel 10 horas por dia dormindo pouco, ouvindo as mesmas coisas uma vez e outra e outra. A maior parte consiste em fazer a pessoa olhar a sua infância e encontrar os acontecimentos que o fizeram tomar posições sobre as outras pessoas, especialmente os seus pais...

Não pode ir à casa de banho quando quer, toma as refeições em grupo, há regras estritas de conversa e de conduta, e os chefes não hesitam em o envergonhar. Muito disto são truques de psicologia, como fazer desaparecer uma dor de cabeça imaginando que tem um buraco na cabeça e que a dor o vai enchendo. Isto prolonga-se por quatro dias. O ultimo meio dia é o dia das vendas. Nessa altura todos os participantes devem trazer os amigos e a familia. Todo o foco é dirigido para vendas: fazer os seus inscreverem-se no Forum, e fazê-lo inscrever-se nos cursos avançados...

Decidi parar de participar quando me pressionavam a participar no curso dos Seis Dias. Seis dias num campo para intenso trabalho sobre o meu cranio. Nesta altura era um estudante com dois empregos. O curso custava mais de 1000 dólares e como não tinha dinheiro, bnão tinha qualquer intenção de o frequentar, mas eles insistiram. Disseram-me para arranjar um trabalho para o pagar. Recusei alterar os meus planos de vida para seguir o curso, pelo que me tornei um alvo de recrutamento permanente. O mesmo aconteceu quando recusei um outro seminário. Para essas pessoas, quando para de participar isso significa que os pensamentos negativos que tinha limpo estão a voltar a influenciá-lo. Você precisa deles para o manterem no caminho da transformação. Querer sair PROVA que precisa deles. Falavam.me todos os dias durante semanas. Não largavam o telefone, contando-me todas as possibilidades que me esperavam, e como me ajudariam, mas nunca aceitavam um não. Tinha de desligar o telefone. Não veem na polidez social mais que equivocos, o que é visto como um pedido de ajuda. Portanto, se não quer ser rude, nunca o deixarão em paz. [Testa]

Um mais recente artigo por um Dr. Kirk corrobora alguma das experiencias de Testa, mas o Dr. Kirk parece ter cedido aos telefonemas constantes e não só voltou como levou a mulher e o filho. O Dr. Kirk afirma ser "um homem de quarenta anos com um M.D., Ph.D. (bioquimica) Anestesia & Medicine Interna....[e] Professor num grande centro médico no nordeste." Ele diz que o Forum "foi sem duvida a mais poderosa e perigosa experiencia da minha vida."

Após o Forum, estava extremamente desorientado e não consegui trabalhar durante três dias. Esses três dias após o Forum foram um inferno, como nada que senti durante 21 anos de treino e 6 anos de exercicio médico em Nova Iorque. Odiei o Forum e tudo relacionado com ele...

Numa correspondencia pessoal, outro Dr. (este em Ciências Politicas de Princeton, segundo diz) afirma

Descobri que o valor primeiro do Forum é que aquilo que aprendi continua a ter um uso prático na minha vida diária muito depois de ter feito o curso.

Quando pedido que explicitasse, o bom doutor escreveu o seguinte:

....a enfase do Forum é na acção, não em sentir-se bem consigo ou com outros fins inatingiveis. Assim, um dos argumentos apresentados é que muito do nosso comportamento se baseia na assunção errada de como os outros responderão às nossas acções e qual o "significado" das sua acções passadas. Quando reconhece a existência das suas assunções (e elas são unicas para cada pessoa), pode ver como elas afectam a sua percepção dos factos e decidir por si se a sua interpretação é ou não válida. Em muitos casos descobre que não e tem a escolha de mudar ou não o seu comportamento.

No meu caso citaria três exemplos: O primeiro seria a minha relação com a minha mulher. Costumava esconder-lhe os meus medos e preocupações na assunção de que fazê-la a tornaria insegura. Pensava que ela necessitava de sentir que eu era completamente estável e que podia apoiar-se em mim. De facto, ao fazer isso, estava a torná-la mais dependente. Estava sempre ali para a ajudar, mas ela nunca era capaz de me ajudar. Quando reconheci isto comecei a partilhar mais as minhas preocupações com ela. O resultado foi ela sentir-se mais próxima de mim (sei isto porque é ela que o diz) e a nossa ligação tornou-se mais igual e mutuamente suportativa.

O segundo exemplo é a minha relação com o meu pai... Tinha construido na minha cabeça uma história em que ele não me amava realmente, de que tudo o que tinha feito por mim tinha sido por uma espécie de sentido de dever. Cheguei a contar isto a algumas pessoas. Quando vi que isto era uma história que tinha criado (quando soube que ele tinha lido a minha tese de doutoramento, palavra por palavra, a história tornou-se insustentável), fui capaz de lhe pedir desculpa e, pela primeira vez, de o abraçar. (Compreendo que isto me pareceria piegas antes de acontecer, mas isso era provavelmente porque tentava negar a importância da minha relação com o meu pai. O facto é que a relação com os pais é sempre importante, mesmo quando distantes e remotas como a minha era.)

Um exemplo final é como interajo com estranhos. Sempre me considerando esquisito, sempre evitei falar muito com pessoas que não conhecia, com medo de me expor. Tendo compreendido que isto é a minha percepção de mim próprio, não a das outras pessoas, não me sinto inibido acerca de falar com outros, nos correios, no barbeiro, etc. [Roger, personal correspondence]

É sabido que muitos dos que se inscrevem em tais programas estão em stress e teem um grande desejo de aprender a lidar melhor com os seus problemas. É tambem sabido que um dos objectivos destes programas é atingir uma "experiência pico" ou "salto". De qualquer modo, é claro que a experiência se assemelkha mais a uma sessão de terapia de grupo do que a uma aula. O objectivo, contudo, pode ser comparado a um curso introdutório de filosofia no estilo socrático e dirigido a mudar a vida de uma pessoas mudando a maneira como ela olha para as coisas. Imagino uma boa sessão como um seminário em relações interpessoais dado por um instrutor socrático com conhecimentos não apenas de filosofia como de psicologia, especialmente de pessoas. Aprenderia não apenas a comunicar melhor mas tambem a relacionar-me melhor com os outros, enquanto sou forçado a reflectir e a examinar melhor a minha vida. O curso seria dirigido a mudar a minha vida, levando-me a criar um novo eu. Seria regenerador e transformador. Seria eminentemente prático, algo que experimentaria, e de que veria imediatamente os efeitos positivos. Seria como uma conversão religiosa, isto é, o substituir de uma fé por outra. (Cinicos chamar-lhe-iam lavagem ao cérebro.) Finalmente, esperaria ficar tão impressionado com o que me acontecia que quereria partilhar isso com outros. Tornar-me-ia um zelote do est ou do Forum Landmark. Quereria espalhar a palavra.

Uma sessão de est ou do Forum Landmark seria muito diferente de uma aula pela simples razões que são emocionalmente intensos. Tambem, ninguem pode ter todos os dias experiências de pico sem enlouquecer ou "queimar-se". Contudo, transformações radicais podem ocorrer em curto espaço de tempo. Qualquer um de nós que tenha experimentado algo emocionalmente intenso como perder alguem amado num acidente estupido, quase morrer, etc, sabe que a experiência pode ser transformadora. Nuns casos essa transformação dura o resto da vida, noutros vai-se apagando com o tempo e volta-se ao antigo eu. Do que lemos com os que se envolveram no est ou o Forum Landmark, e experiência é no minimo disruptiva, no melhor transformadora. Isto deve indicar que algo atinge fundo na vida emocional dos participantes.

Enquanto deve haver algo no conteudo da mensagem, a importancia do mensageiro e o modo como a mensagem é entregue não pode ser sobreestimado. O mensageiro deve ser credível. Tem de parecer honesto. Deve transmitir confiança. Deve saber usar a voz e o corpo para transmitir a mensagem. Deve ser um ás da comunicação. Deve ter humor e á-vontade. Deve ser um narrador. E deve fazê-lo com um grupo grande, para usar o poder do grupo para contagiar os outros. E se é bom, os participantes devem sair carregados e prontos a tomar o mundo. Devem sair em 16 cilindros. Estarão afinados e com turbo, e as suas vidas mudadas.

É or isso que as pessoas sentem que beneficiaram de programas como o Forum Landmark (ou est ou mesmo Amway!) O programa deu à pessoa uma direcção positiva e um foco, e cercou-a de pessoas semelhantes para reinforço. Ajudaram-na a atingir paz de espirito ou a conseguir objectivos que nunca tinham atingido. Foram ajudados nas suas relações pessoais com a mulher, os filhos, ou ajudados a justificar o cortar das relações com os amigos e familia. O programa forçou-os a serem mais auto-conscientes, forçou-os a pensar e examinar as suas vidas, algo que a maioria das pessoas não faz normalmente. De cada vez que uma pessoa reflete na sua vida ou em algum grande problema da vida, sente-se bem e põe as coisas em perspectiva. De cqualquer modo, é satisfatório.

Por outro lado, talvez alguns procurem e se sintam recompensados pelos programas de auto-ajuda porque procuram qualquer coisa que possam obter esta vida. Claro que o que encontra pode existir apenas na sua mente. Mas isso não interessa. Você está feliz. A promessa de poder não se perde mas muitas almas que procuram ajuda aos pés dos gurus. A  ideia de que a maior parte de nós não vivemos o nosso potencial, de que a maior parte do poder do nosso cérebro não é usado, de que existe uma fórmula secreta para atingir a reserva de génio, que um Werner ou um Frederick ou um L. Ron tem a formula e qua a partilhará connosco... por um preço. Há sempre um preço. Geralmente o preço é mero dinheiro e muitos acham que o produto merece o custo da admissão. (as sessões do Forum Landmark custam cerca de 300 dólares por alguns dias de treino. Se quer ser motivado e trabalhar em técnicas de comunicação, as sessões de treino de Tony Robbin custam 30 dólares por uma sessão.)

Algumas vezes, talvez raras, o custo é a sua vida, mental ou fisica. A amioria das pessoas feridas por estes programas não o ficarão permanentemente, mas algumas sim, e algumas já o foram [Artigos de Revistas de Psicologia sobre est e o Forum] Contudo, não condenaria rapidamente o Forum ou a Cientologia por todo o mal feito aos seus clientes. Como mencionado antes, muitos dos que a eles se dirigem já estão perturbados. Alguns profundamente, e o treino fá-los dar o pequeno salto que falta. Mas de quem é a culpa? Tais pessoas podiam ir ao cinema e dar o salto com o Silêncio dos Inocentes.

Os que não são feridos, mas que sentem que o est ou o Forum Landmark lhes deu poder e auto-estima são os melhores, admito. Algumas das mudanças são permanentes, mas a maioria é temporária. A não ser que continuem os cursos e seminários avançados para terem reinforços. Estes tornam-se mais caros. Por exemplo, 700 dólares pelo curso avançado, 1.050 por dois cursos de Comunicação e Poder, e 1.700 pelo Programa Sabedoria.

Claro que muitos dos que sentem que o est ou o Forum lhes mudou a vida para melhor podem estar a enganar-se. As suas vidas não são melhores, podem até ser piores, mas eles sentem-se melhor com eles. Isto não tem nada de mal. Amor passageiro é melhor que nenhum amor. Sentem-se a pertençer ao grupo certo. Sentem que atingiram novas alturas de compreensão. Podem estar iludidos. O que compreendem pode não ter nenhum valor ou importância. Podem ter apenas aprendido algum calão novo, aquilo que Erhard uma vez referiu como "metafisica de cão." Em qualquer caso, bem podiam ter ido para a universidade!


Links

Lell, Martin. Das Forum: Protokoll einter Gehirnwäsche. Der Psycho-Konzern Landmark Education. May 1997. Deutscher Taschenbuch Verlag GmbH & Co. KG, München .

Pressman, Steven. Outrageous Betrayal: The Dark Journey of Werner Erhard From est to Exile, (New York: St. Martin's Press, 1993).


recuarhome